Conselhos de inverno

O inverno que se avizinha traz consigo o frio que pode causar alguns transtornos aos nossos animais de companhia.

Assim, nos dias mais frios, devem evitar-se mudanças bruscas de temperatura, principalmente nos cães e gatos de pequeno porte.

Deve dar-se ainda especial atenção aos gatinhos e cachorros jovens, que têm alguma dificuldade em manter a temperatura corporal, proporcionando-lhes um ambiente confortável e acolhedor.

Para além disto, nas festividades desta épica trazem consigo deliciosas iguais gastronómicas que não devem ser partilhadas com os nossos animais. Estes devem continuar a alimentar-se como habitualmente, sem extras, muito menos doces ou chocolates.

Aliás, se o seu cão ou gato tem por hábito roubar comida, deve redobrar os cuidados nesta altura do ano!

Estamos, como sempre, à disposição para esclarecer as suas dúvidas relacionadas com esta época.

Boas Festas! 🥳

Dia Mundial Contra a Raiva – 28 de Setembro

Embora Portugal seja um país indemne de raiva desde 1961, vacinar os seus animais de companhia contra a raiva é essencial: a doença não respeita fronteiras e ainda morrem anualmente cerca de 70 mil pessoas (uma de 9 em 9 minutos) na sequência do contacto com animais não vacinados e infetados, sobretudo na Ásia e África, mas também na Europa.

Mais informações (em inglês) em https://www.facebook.com/GlobalAllianceforRabiesControl/

Permanência de animais de companhia em estabelecimentos comerciais

Entrou em vigor esta segunda-feira, 25 de junho de 2018, o diploma legal que possibilita a permanência de animais de companhia em estabelecimentos comerciais nos estabelecimentos com dístico visivelmente afixado à entrada.

Esta permissão de entrada poderá ser concedida a toda a área destinada aos clientes, ou apenas a uma zona parcial dessa área, desde que devidamente sinalizada. Os animais devem permanecer no estabelecimento com rédea curta ou devidamente acondicionados, não podendo circular livremente nos estabelecimentos nem ter acesso às zonas da área de serviço e junto aos locais onde estão expostos alimentos para venda.

Pode ser recusado o acesso ou a permanência nos estabelecimentos aos animais de companhia que, pelas suas características, comportamento, eventual doença ou falta de higiene, perturbem o normal funcionamento do estabelecimento.